domingo, 24 de outubro de 2010

Política + Religião = ..............

+A +/- -A

Desde que se iniciou o segundo turno das eleições para presidente, os dois candidatos, Dilma e Serra, não fazem outra coisa a não ser massagear o ego dos eleitores que votaram na Marina no primeiro turno: os religiosos. É claro que não foram SÓ os religiosos que votaram na Marina, mas, obviamente, mas muitos deles votaram. Afinal, as pessoas, não raramente, buscam características pessoais para dar seu voto a determinado candidato, na ausência de conhecimento sobre o que realmente importa numa campanha política: as propostas POLÍTICAS para o futuro mandato. 


Foi, de fato, irritante e frustrante ver que até nas eleições alguém arruma um modo de enfiar o jeitinho brasileiro de ser. Digo isso porque é tradição no Brasil, ser malandro, o que significa flexibilizar qualquer tipo de norma que existe, por mais simples e imbecil que seja. No Brasil, isso é considerado esperteza. Chegamos a um patamar tal que ninguém mais liga ou nem mesmo repara quando isso acontece. 

É fato, ou deveria ser, para todos que o Brasil É UM ESTADO LAICO. O que significa que religião não é um assunto que diz respeito à política de forma alguma, a não ser que alguém comece a matar por causa dela. O papel do Estado é ficar AUSENTE desse tipo de discussão. Isso significa que em escolas públicas o ensino religioso, por exemplo, deve ser PROIBIDO! Não que o Estado deva abolir a religião, mas, primeiramente, deve seguir duas diretrizes nesse caso: ou permite que todas as crenças religiosas sejam ensinadas ou não permite que nenhuma o seja. Isso faz com que o direito de professar sua crença, que não necessariamente é a cristã, não seja ofendido por imposições do tipo: ensinar o criacionismo aos alunos. Mas isso não vem ao caso agora.

Eu tinha decidido não escrever nada sobre esse assunto, mas eu me sinto tão indignado que não consigo não manifestar isso de alguma forma. Por que diabos o Serra vem usando questões como Deus, aborto e casamento gay, para promover sua campanha? Será que ele resolveu usar o jeitinho brasileiro e esquecer que nossa Constituição prevê um Estado laico? Leia uma de suas declarações, que consta no Ateus do Brasil:

Acho bom que o Presidente da República acredite em Deus. Eu creio que os valores, a espiritualidade, que faltam tanto no mundo de hoje têm causado problemas para a humanidade e mesmo para o nosso país, até certo ponto.
A religião e a crença em Deus permite a uma sociedade desenvolver melhor os seus valores, uma ética de comportamento individual, tanto que quando às vezes se fala “nesse lugar vale tudo, Deus morreu”, a ideia de que Deus morreu, a ideia de que Deus não existe, a ideia de que Deus está ausente, que as pessoas nele não crêem, porque ele está presente mediante a nossa crença, pra cada um, isso faz muito mal para a sociedade. Fará mal também para o Brasil. Eu acredito que a religião e a crença em Deus nos aproxima dos valores, nos aproxima da solidariedade.
Ora, alguém pode me dizer de onde o Serra tirou essa relação diretamente proporcional entre crenças religiosas e o crescimento de um país?! Provavelmente ele se baseou nos EUA, que é um país não-laico, em que o presidente ao assumir sua posição faz um juramento sobre uma Bíblia (que inclusive, é a mesma Bíblia que o primeiro Geoge Washington fez seu juramento; uma Bíblia pertencente a uma loja maçônica....irônico saber que hoje os protestantes americanos são tão avessos à maçonaria), mostrando já desde o primeiro segundo de seu mandato que seu país possui uma política intimamente ligada à religião. Mas, o que Serra parece não saber é que os EUA representam uma exceção. Veja o gráfico abaixo:

Afinal, o que se passou na cabeça de Serra? Será que ele pensou: “Ah, no Brasil as leis são flexíveis mesmo...se eu passar por cima do Estado laico ninguém vai notar.”. Talvez seja um pouco disso. Mas acho que os candidatos, a fim de promover sua campanha e obter vantagem, acabam usando essas estratégias para conquistar o eleitor, falando o que eles querem ouvir. O problema é que Serra mexe numa questão profunda. Ao usar a crença em Deus em seus discursos e dizer que pessoas que compartilham dela são melhores que as outras é uma ofensa dupla. Ao mesmo tempo, está ofendendo os grupos religiosos que não acreditam em Deus, como budistas, e está diminuindo os ateus. 

Talvez, problemas desse tipo ocorram porque o Brasil é um país em que ofensa contra ateus é algo permitido e ainda incentivado. Na medida em que isso ocorre, os ateus tendem a ficar ainda mais acanhados e com receio de mostrar sua opinião em público. Isso vale até para pessoas famosas. Recentemente a neurocientista Suzana Herculano, indignada, postou em seu blog um manifesto contra o preconceito aos ateus e incentivando a saída deles (nossa) do armário. Gostaria de convidar todo aquele que crê no deus judaico cristão e que despreza os ateus por sua falta de crença, a pensar que todo cristão é ateu também, em relação a todos os outros deuses, menos ao deus de sua tradição. Os ateus são ateus em relação a somente um deus a mais.




Serra de Jesus  – O que Serra diz nesse vídeo, sobre valores verdadeiros e honestidade, é muito bom mesmo. Seria ótimo que os políticos tivessem esse lema, seja por convicção religiosa ou qualquer outro tipo. O problema é que Serra, e a maioria dos religiosos cristãos, liga diretamente sua religião à verdade e bondade, e ateísmo à imoralidade e falta de ética. Isso é um absurdo. Pensemos da seguinte forma: a maior parte das pessoas do mundo é religiosa. O cristianismo é uma das religiões mais professadas atualmente. Os cristãos são bons moralmente, puros, honestos e verdadeiros. Logo, o mundo teria que ser um lugar bem melhor desde que os cristão representam uma grande fatia da pizza.Não deveria haver guerras, preconceitos, mortes na fogueira, pedofilia....Agora, leitor, tire suas próprias conclusões sobre isso.

       



4 comentários:

LORENA disse...

Particularmente falando, minha escolha tem base na carreira politica do candidato, quanto às propostas, eu ouço, mas por meio desse critério n dá bem pra se decidir!
No contexto geral, concordo que n é ético tentar aproximar uma determinada religião à um assunto que diz respeito aos interesses de todos.
Mas ao que tenho observardo, Serra n se dirige especificadamente a nehuma crença e sim a um Deus e não sabe-se qual.Tem muita coisa obscura aí. Independente disso é claro que para muitos essa palavra agrada. Eu mesmo gosto muito Dela!

Felipe disse...

Concordo com vc. O Serra realmente não fala no deus judaico-cristão em específico. Mas ele não fala porque não precisa se referir especificamente a ele como Javé, Jeová, ou outro nome do tipo que ele tem. Se vc reparar, quando ele fala sobre o assunto, as legendas aparecem colocando "Deus". Esse nome, com letra maiúscula, é um nome próprio. E as únicas religiões que se referem a um "D"eus e não a um deus ou deuses, é o cristianismo e o judaísmo. Além disso, não faz sentido cogitr a hipótese de ele estar se referindo à qualquer deus porque num país predominantemente cristão ele se referir a deuses hindus, xintoístas, não faz sentido. rs Mas eu entendi o que vc quis dizer. O que confunde é que no Ocidente, mesmo quando nós falamos de um Deus, não como religião, mas como qualquer inteligência superior, automaticamente já estamos nos referindo ao Deus judaico-cristão. É só reparar que esse ser superior sempre vem um com "D" maiúsculo, sempre tem compaixão, é bondoso...esse é o típico Deus cristão, do Novo Testamento. Então, até quando querer desvincular deus de qualquer religião, naturalmente projetamos nesse ser, as características dos deuses, ou Deus, da religião que conhecemos melhor. Mesmo o Serra não se referindo à religião nenhuma (apesar de ele ostentar com orgulho seu catolicismo), ao mesmo tempo ele está fazendo apologia ao Deus católico, que apesar de não ser declaradamente tal Deus, tem todas as características dele. Concorda?rs

LORENA disse...

Dilma tbm tem teclado nisso, pq só comentou a respeito de Serra? Pq n citou os dois?
Tem a ver c sua escolha?

Felipe disse...

Boa pergunta!! rs Na verdade eu citei o Serra por mais de um motivo. Primeiro, eu só achei a citação integral dele. Segundo, foi ele quem começou a propagandear o lance do aborto, como a Dilma sendo a favor; e ele quem colocava quase sempre em pauta nos debates, o fato de ela ser atéia ou não, ser a favor do aborto ou não. Depois a Dilma começou a cair nesse jogo também. O que fez ela cair no meu conceito até! Mas, pensando bem, ela tinha que se defender de alguma forma porque o Serra tava tirando muitos eleitores dela, principalmente os que acham relevante esses debates "não políticos".

Mas eu achei totalmente desnecessário e contra a Constituição, as cenas dos programas políticos em que eles aparecem em igrejas, em missas...Po, que que a presidência deles tem a ver com essas questões? Acho isso deslealdade política e desprezo à Constituição, que prega o Estado laico. Pra falar a verdade, eu to quase votando nulo nessas eleições. rs Mas vou votar na Dilma porque tenho certeza de que ela não vai jogar as empresas cujo Estado ainda tem algum domínio, totalmente nas mãos de multinacionais. E porque vou a favor da alta do dólar. As propostas do Serra me parecem muito elitistas pra eu votar nele. E sou servidor público né...com certeza o governo dele não favorecerá minha classe!! hehe

Postar um comentário